Visita da DRAPLVT a uma exploração de produção frutícola na Região de Setúbal

12.07.2021

No âmbito da preocupação da Direção da DRAPLVT pela matéria de sustentabilidade económica e ambiental das explorações, e com o objetivo de estabelecer uma maior proximidade com o sector da prod​ução frutícola, realizou-se no passado dia 9 de julho, a convite da AGOFEMA – Sociedade de Agricultura de Grupo, Lda., uma visita à Herdade do Pontal, em Pegões, concelho do Montijo, distrito de Setúbal, para conhecer in loco esta empresa familiar, com mais de 130 hectares, que opera com as grandes cadeias de supermercados nacionais, e que escoa grande parte da sua produção, para a Polónia, desenvolvendo o seu trabalho há mais de 30 anos no sector da produção frutícola, nomeadamente, na produção de Ameixas, Damascos, Dióspiros, Limões, Maçãs, Peras e Romãs. Esta visita contou com a presença do Diretor Regional Adjunto, Rui Hipólito, do Delegado Regional da Península de Setúbal, João Faria e do proprietário da exploração, Aires Alves, CEO na Empresa Bucelfruta, Lda., entre outros produtores do sector e seus representantes, nomeadamente da Empresa Lusopêra, pertencente ao Grupo CPF e da Empresa Frutalmente.​

IMG_5013_Figura 1.JPGIMG_5017_Figura 2.JPG 

Figura 1 e 2 – Diretor Regional Adjunto da DRAPLVT, proprietário da exploração AGOFEMA, Delegado Regional da Península de Setúbal, e proprietário da Empresa Lusopêra, do Grupo CPF e ao lado o grupo presente na visita à Herdade.​

​Esta empresa, assente num modelo de produção integrada, concentra-se essencialmente na diversificação da sua produção, adotando como estratégia um modelo de rotatividade, boas práticas agrícolas e uma gestão eficiente da rega, faz parte de uma Organização de Produtores (OP), que lhe permite melhorar a sua posição na cadeia agroalimentar, desde a atuação local e de proximidade até à procura de novos mercados, incluindo mercados externos, e que lhe possibilita a criação de economias de escala e de melhoria do poder negocial nas relações comerciais a jusante na cadeia, garantindo, uma resposta mais célere da cadeia de abastecimento à crescente procura diferenciada de produtos agrícolas por parte dos consumidores.

Figura 3.JPGFigura 4.JPG

Figura 3 e 4 –  Pormenores da rede anti granizo, um dos processos mais económicos para proteger as culturas frutícolas, que permite a passagem de luz, ar e água necessárias para o desenvolvimento do fruto.

 No âmbito da abertura de candidaturas ao apoio para instalação de redes Anti-Granizo em Pomares, financiado pelo envelope Next Generation, inserido no Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 (PDR2020), com vista à minimização dos estragos causados nas explorações frutícolas, nomeadamente pelas chuvas de granizo, fruto dos constantes efeitos das alterações climáticas, a empresa AGOFEMA já beneficia de cerca de 60 hectares de pomar protegido com redes anti-granizo, que promove uma maior previsibilidade do rendimento e valorização da produção.

Figura 5.JPGFigura 6.JPGFigura 7.JPG

Figura 5, 6 e 7–  Pormenores da diversificação da produção existente na AGOFEMA.

​​